Construção no espaço pode revolucionar o mercado de satélites

No início do mês, a Airbus revelou que foi selecionada para liderar o projeto PERIOD (PERASPERA In-Orbit Demonstration), que tem como principal foco a construção de equipamentos espaciais em órbita. Inicialmente, o projeto pretende viabilizar a fabricação de componentes menores, para que posteriormente se possa avançar para a construção de satélites inteiros, por exemplo.

A iniciativa retoma uma nova faceta para o mercado de satélites que pode vir a ser explorada em um futuro próximo. Atualmente, além de serem projetados considerando seu funcionamento em órbita, os satélites precisam ser construídos levando em conta o lançamento, que sujeita os equipamentos a forças e vibrações intensas. Além dos custos maiores advindos desta etapa, o tamanho das cargas também é limitado pois não podem ser maiores que o foguete lançador e nem tão pesadas que atrapalhem o voo. A construção no espaço elimina completamente a etapa do lançamento e, consequentemente, estes problemas.

Focando apenas nas suas funcionalidades quando já em órbita, os satélites construídos diretamente no espaço poderão ser maiores, mais capazes e mais baratos que os atualmente utilizados pela humanidade, podendo superar cada vez mais as novas e crescentes expectativas de cientistas e pesquisadores. A ideia para este tipo de construção é aliar a tecnologia de impressão 3D com a robótica para realizar, respectivamente, a fabricação de peças e a montagem do satélite. É assim o funcionamento do Archinaut, da empresa Made In Space em parceria com a Northrop Grumman e a Oceaneering Space Systems, que também pretendem viabilizar a construção de equipamentos espaciais em órbita no futuro.

A possibilidade de construção no espaço vem chamando a atenção de vários empreendedores que procuram ingressar no ramo, com empresas ainda em fase de desenvolvimento ou de adaptação mas com ideias bem definidas. É o caso da Orbital Assembly, Tethers Unlimited, United Space Structures, Relativity Space e outras, que têm intenções de construir os mais diversos tipos de equipamentos a serem utilizados em missões espaciais, como satélites, foguetes e até moradias.

O assunto é vasto porque a fabricação de materiais em órbita não se limita a beneficiar ferramentas que podem ser utilizadas apenas no espaço, mas também aquelas cuja aplicabilidade se encontra na Terra, o que aumenta ainda mais a lista de empresas interessadas no segmento. A ausência de gravidade experimentada em órbita, que é o maior atrativo em casos deste tipo, também é interessante para a construção de satélites, pois permite a montagem de equipamentos pesados e maiores que não se sustentariam na gravidade terrestre.

Fica ainda mais claro que a construção no espaço não só permitirá que mais satélites sejam colocados em funcionamento, e a um custo menor, como que também permitirá um avanço tecnológico jamais possível de se alcançar no planeta Terra.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao navegar neste site, você concorda com o uso de cookies.